Alterações Urinárias em Animais – Parte II

Alteracoes Urinarias em Animais Parte II

As alterações urinárias são um ponto que deve ser observado por tutores de animais domésticos, mas existem alguns casos em que sua ocorrência é mais comum. Listamos abaixo.

 

Pós-operatórios

Nesses casos, a maioria dos problemas ocorre após a manipulação cirúrgica de órgãos ou áreas abdominais ou após cirurgias de castração e tanto podem estar relacionados com alterações anatômicas, hormonais ou inflamações.

 

Quadros ortopédicos

Aqui entram os quadros de dificuldade de movimentação ou de posicionamento, levando os animais a apresentarem a incontinência por uma questão de impedimento físico.

 

Quadros neurológicos

A compressão medular e/ou pinçamento de raízes nervosas, responsáveis pela inervação do trato urinário, podem ocasionar os quadros de incontinência ou retenção urinária. Na maioria das vezes essa alteração neurológica pode ser ocasionada por quadros ortopédicos, como: diminuição de espaço intervertebral, hérnia de disco, discoespondilite, discoespondilose (anquilosante ou não) – o famoso bico de papagaio.

O quadro neurológico central também pode estar relacionado aos problemas urinários, mas na maioria das vezes temos também uma mudança da personalidade do animal envolvida (alteração cognitiva).

 

Quadros obstrutivos

Esses quadros normalmente têm origem de outras disfunções, mas basicamente se caracterizam pela formação de tampões ou cálculos que obstruem os canais do trato urinário (ureteres e uretra) ou apenas inflamam esses quando passam “arranhando” suas paredes. Nesses casos, a urgência da desobstrução é ainda maior. É correr para o hospital veterinário de sua confiança!

 

Quadros de dor

Nos casos de dor aguda ou crônica os animais podem deixar de “fazer xixi” ou fazerem nas próprias camas para evitarem se levantar e se locomover. Inúmeras técnicas antálgicas (para evitar a dor) atuais, incluindo a acupuntura, ajudam a tirar o peludo dessa situação.

 

Quadros de infecção (cistite bacteriana)

Nesses casos, a infecção na maioria das vezes é oportunista, ou seja, as bactérias se aproveitam da facilidade de se instalarem na bexiga e/ou no rim e se proliferam. Os sintomas mais comuns estão na própria urina e podem ser o odor, a cor, a quantidade e o aspecto alterados. Ah! A presença de sangue ou coágulos também pode ser indicativa de doença!

Uma ótima semana a todos!

 

Referências:

  • Zhang D. J Tradit Chin Med. 2008 Jun;28(2):83-5.Thirty-six cases of urinary retention treated by acupuncture.
  • Changfeng Tai et al. Restor Neurol Neurosci. 2006: 24(2): 69-78. Spinal reflex control of micturition after spinal cord injury.
  • Ricardo Miyaoka, Manoj Monga. International Braz J Urol. 2009 Jul: 35(4):396-405. Use of Traditional Chinese Medicine in the Management of Urinary Stone Disease.
  • Sun Y. et al. British Journal of Anaesthesia. 2008: 101(2): 151-160. Acupunture and related techniques for postoperative pain: a systematic review of randomized controlled trials.

 

Compartilhe

Posts recomendados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *