Sabe o que é: Estimulação Precoce Neurológica?!

Imagem: Arquivo pessoal

Texto de Dra. Carmen L. Battaglia

Tradução e adaptações: Dra. Carolinne Torres

Estimulação precoce neurológica

Por mais surpreendente que possa parecer, não é a capacidade do indivíduo que explica as diferenças que existem entre cada um, pois a maioria parece ter muito mais capacidade do que vai usar um dia. As diferenças que existem entre os indivíduos parecem estar relacionadas a alguma outra coisa. Os que alcançam e superam os outros parecem ter dentro de si a capacidade de usar recursos ocultos. Em outras palavras, é o que eles são capazes de fazer com o que eles têm que faz a diferença .

Em muitos programas de melhoramento genético animal, todo o processo de seleção baseia-se na crença de que o desempenho é hereditário. As tentativas de analisar a genética do desempenho de uma forma sistemática envolveu alguns nomes ilustres, como Charles Darwin e Francis Galton. Mas foi só nas últimas décadas que boas estimativas de herdabilidade de desempenho foram baseadas em dados adequados. Cunningham (1991) em seu estudo de cavalos, constatou que apenas usando dados específicos e os grupos de medição dos meios-irmãos e irmãs, poderia ter boas estimativas de desempenho e as determinar objetivamente. Seus dados mostram que o desempenho de velocidade é cerca de 35% hereditário, por exemplo. Em outras palavras, apenas cerca de 35 % de toda a variação que é observada no desempenho do animal é controlada por fatores hereditários, os restantes 65 % são atribuídos a outras influências, tais como a formação, a gestão e a nutrição.

Os pesquisadores estudaram esses fenômenos e têm procurado novas formas de estimular as pessoas e os animais para melhorar as suas capacidades naturais. Alguns dos métodos descobertos têm produzido efeitos duradouros. Hoje muitas das diferenças entre os indivíduos podem ser explicadas pela utilização de métodos de estimulação precoce.

Sabemos que o início da vida é um momento em que a imaturidade física de um organismo é suscetível e sensível a uma classe restrita, mas importante, de estímulos. Devido à sua importância muitos estudos têm focado seus esforços nos primeiros meses de vida.

Filhotes recém-nascidos são exclusivamente diferentes dos adultos em vários aspectos. Quando nascem, seus olhos estão fechados e seu sistema digestivo tem uma capacidade limitada, e exigem estimulação periódica por sua mãe, que rotineiramente lambe-os, a fim de os auxiliar. Nessa idade, eles só são capazes de sentir o cheiro, chupar e rastejar. A temperatura do corpo é mantida por contato com sua mãe, ou por meio do contato com outros irmãos de ninhada.

Durante estas primeiras semanas de imobilidade, os pesquisadores observaram que estes imaturos caninos subdesenvolvidos são sensíveis a fatores que incluem a estimulação térmica e táctil, movimento e a locomoção.

Outros mamíferos, tais como ratinhos e ratazanas também nascem com limitações, e eles também demonstram uma sensibilidade semelhante aos efeitos da estimulação precoce . Estudos mostram que removê-los de seu ninho durante três minutos por dia, durante os primeiros cinco a dez dias de vida, faz com que a temperatura do corpo caia abaixo do normal, e esta forma leve de estresse seja suficiente para estimular os sistemas hormonais corpóreos. Quando testados mais tarde, como adultos, esses mesmos animais foram mais capazes de suportar o estresse do que os que não foram expostos aos mesmos exercícios de estresse precoce. Como adultos, eles responderam ao estresse de uma forma “gradual”, enquanto seus irmãos de ninhada não-estressados ​​responderam de forma “tudo ou nada”.

Outros estudos envolvendo exercícios de estimulação precoce têm sido realizados com sucesso em ambos os cães e os gatos. Nestes estudos, o através do Eletroencefalograma (EEG), que verificou-se ser ideal para medir a atividade eléctrica do cérebro, devido a sua extrema sensibilidade às alterações na excitação, estresse emocional, tensão muscular, alterações na respiração e no teor de oxigênio.

As medidas de EEG mostraram que cachorros e gatinhos quando exercitados, com estimulação precoce, amadurecem em taxas mais rápidas e com melhor desempenho em certos testes de resolução de problemas do que companheiros não-estimulados.

Os resultados mostram que os exercícios de estimulação precoce podem ter resultados positivos, mas devem ser usados ​​com cautela. Em outras palavras, o excesso de estresse pode causar adversidades patológicas em vez de superioridade física ou psicológica.

 

Exercícios de estimulação precoce

 

1. Estimulação tátil – segurando o filhote em uma mão, o manipulador estimula suavemente (cócegas) o filhote entre os dedos dos pés usando um cotonete. Não é necessário ver que o cachorro está sentindo as cócegas. Tempo de estimulação de 3 – 5 segundos.

2. Cabeça erguida – com as duas mãos, o filhote é mantido perpendicular ao chão (para cima) de modo que sua cabeça fica diretamente acima de sua cauda. Esta é uma posição para cima. Tempo de estimulação de 3 – 5 segundos.

3. Cabeça apontada para baixo – segurando o filhote com as duas mãos a cabeça está invertida e é apontada para baixo de modo que ele fique apontando para o chão. Tempo de estimulação de 3 – 5 segundos.

4. Decúbito dorsal – segurando o filhote para que seu dorso esteja descansando na palma de ambas as suas mãos, com o focinho voltado para o teto. O filhote nessa posição pode estar dormindo. Tempo de estimulação de 3-5 segundos.

5. Estimulação térmica – use uma toalha úmida, resfriada no congelador durante pelo menos cinco minutos. Coloque o filhote na toalha, com os pés para baixo (em contato com a toalha). Não restringir sua movimentação. Tempo de estimulação de 3-5 segundos.

Estes cinco exercícios produzem estímulos neurológicos, nenhum dos quais ocorrem naturalmente durante este período inicial da vida. A experiência mostra que, por vezes, os filhotes vão resistir a esses exercícios, outros irão mostrar despreocupação.

Utilizar sempre esses exercícios com cautela. Não repeti-los mais de uma vez por dia e não ficar além do tempo recomendado para cada exercício.           Estes exercícios podem afetar o sistema neurológico, colocando-o em ação mais cedo do que seria normalmente esperado, o resultado é uma maior capacidade de resposta, que mais tarde vai ajudar a fazer a diferença no seu desempenho.

Referências:

1. Battaglia, C.L., “Loneliness and Boredom” Doberman Quarterly, 1982.

2. Kellogg, W.N. & Kellogg, The Ape and the Child, New York: McGraw Hill.

3. Scott & Fuller, (1965) Dog Behavior -The Genetic Basics, University Chicago Press.

4. Scott, J.P., Ross, S., A.E. and King D.K. (1959) The Effects of Early Enforced Weaning Behavior of Puppies, J. Genetics Psychologist, p 5: 261-81.

 

Sobre a Autora:

Carmen L Battaglia tem um Ph.D. e Mestrado pela Universidade Estadual da Flórida. Como juíza AKC, pesquisadora e escritora, ela tem sido uma líder na promoção da criação de melhores cães e tem escrito muitos artigos e vários livros.

Dra. Battaglia também é um popular na TV e no rádio. Seus seminários sobre a criação de cães, a seleção de reprodutores e filhotes têm sido bem recebidos pelos clubes de raça em todo os EUA. Os interessados ​​em aprender mais sobre seus seminários devem contata-la diretamente.

Visite o site em http://www.breedingbetterdogs.com e veja as fotos de cada estímulo!

 

Boa semana a todos!

 

Compartilhe

Posts recomendados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *