Orgulho em ser Médico Veterinário

carol gaia medico veterinario medicina veterinaria

Hoje acordei com uma série de Parabéns tanto no celular quanto na nossa FanPage no facebook. Essa demonstração de afeto e carinho com o profissional que me tornei apenas reforça o fato de ter feito a escolha correta.

Escolhi essa profissão aos 5 anos de idade, mas com consciência de adulto. Já sabia o que queria fazer desde aquela época: Ajudar aos animais! Entendi, após ingressar no mercado de trabalho, que, no entanto, para ajudá-los de uma forma inteira é preciso mais do que uma boa formação e algumas horas de estudo diário, é preciso conhecer o ser humano também. Dedico-me desde então a entender, compreender e ajudar também os proprietários de animais a atuar como parte funcionante dessa equação – animal/saúde/bem-estar- em benefício do peludo em questão.

O médico veterinário muitas vezes erra ao achar que essa é uma profissão em que não se tem contato com pessoas. Já ouvi várias vezes estudantes falando que escolheram essa profissão por que “gostam mais de bicho do que de gente”, mas aí é que se começa o erro. Não há como separar uma coisa da outra. O sucesso do nosso trabalho depende fundamentalmente da ajuda do proprietário do animal, seja para fazer exames seja para fazer os tratamentos e as recomendações.

Portanto, chega de criar barreiras entre animais e homens. Todos somos animais e merecemos muita atenção, compreensão, honestidade e sinceridade!

Médico Veterinário: Não adianta pedir por tratamentos ou recomendações que nem mesmo nós, como proprietários de animais, teríamos como cumprir.

Proprietário: Não adianta levar o animal ao veterinário, não seguir as recomendações e mentir dizendo que fez tudo como prescrito. A conta não bate e o animal, cerne da questão, é o único que sai prejudicado, já que o tratamento com certeza não surtirá o efeito desejado.

Qualquer profissional que lida com o público, seja ele médico, farmacêutico, médico veterinário ou balconista, precisa se especializar em comunicação interpessoal. Precisa saber conversar, ouvir e fazer-se entendido, caso contrário o diálogo será em vão e restarão apenas dúvidas, incertezas e às vezes mágoa.

Nós precisamos ler nas entrelinhas dos sintomas do paciente, precisamos confiar no relato do proprietário e precisamos dar as mãos uns aos outros! Dessa forma nossa profissão será valorizada tanto por nós quanto por qualquer outro profissional.

A Acupuntura Veterinária é apenas uma das muitas possibilidades de especialistas que temos hoje em dia e cada um tem o dever ético de saber até onde pode ir o seu conhecimento para dar o melhor atendimento possível àquele paciente. Uma boa indicação vale muito mais do que várias tentativas! O médico veterinário está ali para ser um aliado e de forma alguma para roubar clientes. A Flor de Lótus tem desde seu início esse conceito fundamentado e trabalha indicando um grupo muito bem conceituado de parceiros multidisciplinares (não só veterinários).

Sim à cordialidade entre profissionais! Sim ao melhor entendimento cliente-prestador de serviço! Sim à ética pessoal e profissional!

Uma ótima semana a todos!

 

Compartilhe

Posts recomendados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *